Em dia nacional de combate ao glaucoma, oftalmologista alerta para diagnóstico precoce


A data 26 de maio é dedicada ao Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, doença ocular que pode causar cegueira se não for tratada. De acordo com estatísticas da Organização Mundial de Saúde (OMS), estimam-se que 65 milhões de pessoas já foram diagnosticadas com glaucoma em todo o mundo. Apesar de pouco conhecida no país, 900 mil portadores desse quantitativo são brasileiros.

O glaucoma é provocado na maioria das vezes pela elevação da pressão ocular, não tem cura e quando a doença não é tratada, pode levar à perda total da visão. A oftalmologista do Instituto da Visão, Dayene Drumond, fala sobre os riscos mais propensos a desenvolver a doença.

“Indivíduos com mais de 40 anos, pessoas míopes que usam lentes acima de seis graus têm risco maior de desenvolver a doença, como também pessoas sedentárias, diabéticos e familiares de portadores de glaucoma, é preciso fazer um controle periódico, por se tratar de uma doença silenciosa”, explica.

Ainda de acordo com a oftalmologista o glaucoma pode se manifestar de diferentes maneiras, como de ângulo aberto como na maioria dos casos, de ângulo fechado, de pressão normal, secundário e congênito. Por afetar a qualidade de vida do paciente quanto antes for identificado, maiores são as chances de tratamento.

Somente depois do diagnóstico, o oftalmologista pode prescrever alguns tratamentos que permitem evitar uma perda maior da visão. A primeira opção é a utilização de colírios, que irão agir na redução da pressão intraocular. Contudo, caso o tratamento com colírios não seja suficiente, o profissional ainda pode optar pela cirurgia, feita de forma convencional ou através de laser.